Susan Hayward

Susan Hayward (30 de junho de 1917 - 14 de março de 1975), foi uma atriz norte-americana.



Depois de trabalhar como modelo em Nova York, Hayward viajou para Hollywood em 1937 onde ela obteve um contrato de cinema, e desempenhou vários pequenos papéis coadjuvantes ao longo dos próximos anos.

No final de 1940 a qualidade de seus papéis no cinema havia melhorado, e ela alcançou o reconhecimento por suas habilidades dramáticas com a primeira de cinco indicações ao Oscar de Melhor Atriz por sua atuação como uma alcoólatra em Smash-Up, the Story of a Woman (1947). Sua carreira continuou com sucesso até os anos 1950 e ela recebeu indicações subseqüentes ppr My Foolish Heart (1949), com With a Song in My Heart (1952) e I´ll Cry Tomorrow (1955). Ela finalmente ganhou o Oscar de Melhor Atriz por sua interpretação de uma mulher no corredor da morte, Barbara Graham, I Want to Live! (1958).

Após o segundo casamento de Hayward e subseqüente mudança para a Geórgia, suas aparições no cinema tornam-se freqüentes, embora ela continuou atuando no cinema e na televisão até 1972. Em 1975 ela morre de câncer no cérebro.

INÍCIO DE VIDA
Hayward nasceu Edythe Marrenner em Brooklyn, New York, a mais nova dos três filhos de Ellen e Walter Marrenner. Sua avó paterna era uma atriz, Kate Harrigan, de County Cork, na Irlanda. Sua mãe era de ascendência sueca. Ela tinha uma irmã mais velha, Florença (nascida em maio 1910) e um irmão mais velho Walter, Jr. (nascido em dezembro 1911).

Hayward foi educada na Escola Pública, e mais tarde frequentou "Commercial High School" (mais tarde renomeada para Prospect Heights High School). Durante seus anos de ensino médio, ela atuou em várias peças da escola e foi batizada de "a mais dramática" por sua classe. Formou-se em junho de 1935.

Coincidentemente, Lena Horne nasceu exatamente no mesmo dia (30 de junho de 1917), como Susan Hayward e também nascido em Brooklyn, NY

CARREIRA
Hayward começou sua carreira como modelo de fotografia, indo para Hollywood em 1937 com o objetivo de garantir o papel de Scarlett O´Hara em E o Vento Levou. Embora não ganhasse o papel, Hayward encontrou emprego vivendo pequenos papéis até que encontrou um bom papel no elenco de Beau Geste (1939), contracenando com Gary Cooper. Durante os anos de guerra, ela atuou com John Wayne duas vezes, em Reap the Wild Wind (1942), e como protagonista em The Fighting Seabees (1944). Ela também estrelou na versão cinematográfica de The Hairy Ape (1944). Mais tarde, em 1956, ela foi lançada por Howard Hughes no épico histórico The Conqueror, como protagonista de John Wayne.


Após a guerra, ela se estabeleceu como uma dos mais populares mulheres de Hollywood em filmes como Tap Roots (1948), My Foolish Heart (1949), David and Bathsheba (1951), e With a Song in My Heart (1952).

Em 1947, ela recebeu o primeiro das cinco indicações ao Oscar por seu papel como um alcoólatra cantora de boate no filme Smash-Up, the Story of a Woman.

Durante os anos 1950, ela ganhou elogios por suas performances dramáticas como a melancólica esposa do presidente Andrew Jackson em The President´s Lady (1953); a atriz alcoólatra Lillian Roth em I´ll Cry Tomorrow (1955), baseado no best-seller de mesmo nome, pelo qual ela recebeu um prêmio de Cannes; e sobre a vida real de Barbara Graham em I Want to Live! (1958). A interpretação nesse lhe rendeu o Oscar de Melhor Atriz. Em 1959, ela fez o papel principal, Mary Sharron, em Woman Obsessed.

Embora Hayward nunca verdadeiramente se tornasse conhecida como uma cantora, porque ela odiava próprio canto, ela atuou como cantora em vários filmes. Em I´ll Cry Tomorrow, no entanto, embora a "cantora fantasma" fosse, na verdade, recrutada, é a sua própria voz que realmente é ouvida na trilha sonora. Susan Haward se viu realizada na biografia musical de Jane Froman no filme de 1952, With a Song in My Heart, um papel que lhe rendeu o Globo de Ouro de Melhor Atriz de Comédia. A voz de Jane Froman foi dublada por Hayward.

Em 1961, Hayward estrelou como uma trabalhadora que se torna a esposa do próximo governador do Estado (Dean Martin ) e, que no final assume que o governo. No mesmo ano, ela interpretou Rae Smith em Ross Hunter, onde também estrelou John Gavin e Vera Miles. Em 1967, Hayward substitui Judy Garland como Helen Lawson na adaptação cinematográfica de Jacqueline Susann, Valley of the Dolls.

Ela continuou a atuar no início de 1970, quando ela foi diagnosticada com câncer no cérebro. Seu último papel filme foi como Dr. Maggie Cole em 1972, feito para TV, drama de Say Goodbye, Maggie Cole. (O filme foi concebido para ser um episódio piloto para uma série de televisão semanal, mas por causa do diagnóstico de câncer de Hayward e problemas de saúde, a série nunca foi produzida). Sua última aparição pública foi na cerimônia do Oscar em 1974 para apresentar o prêmio de Melhor Atriz, apesar de já estar muito doente. Com Charlton Heston lhe dando suporte, ela foi capaz de apresentar o prêmio.

VIDA PESSOAL
Hayward foi casada com o ator Jess Barker por dez anos e tiveram dois filhos, filhos gêmeos fraternos chamados Gregory e Timothy, nascidos em 19 de fevereiro de 1945. O casamento foi descrito em colunas de fofocas de Hollywood como turbulento. Eles se divorciaram em 1954. Hayward sobreviveu a uma tentativa de suicídio posterior após o divórcio. Durante o processo de divórcio litigioso, Hayward sentiu a necessidade de permanecer nos Estados Unidos e não ir para Hong Kong para as filmagens do filme Soldier of Fortune. Ela atuou com o ator Clark Gable dentro de sua casa em Hollywood. Depois algumas cenas de Gable perto de marcos em Hong Kong foram combinados com as imagens em ambientes fechados.

Em 1957, casou-se com Hayward Floyd Eaton Chalkley, vulgarmente conhecido como Eaton Chalkley. Ele era um fazendeiro da Georgia e empresário que já trabalhou como um agente federal. Embora ele fosse um marido incomum para uma estrela de cinema de Hollywood, o casamento foi feliz. Ela vivia com ele em uma fazenda perto de Carrollton, Georgia. O casal também tinha uma propiredade do outro lado do estado em Cleburne County, nos arredores de Heflin, Alabama. Ela se tornou uma figura popular em uma área que na década de 1950 estava fora do caminho para a maioria das celebridades. Em dezembro de 1964, ela e seu marido foram batizados como católicos pelo Padre McGuire na Igreja Católico-Romana de Paulo em Larimar Avenue, no East Liberty, em Pittsburgh. Ela tinha encontrado McGuire enquanto esteve na China e prometeu-lhe que se ela se convertesse, ele seria o único a batizar ela. Chalkley morreu em 9 de janeiro de 1966 e Hayward entrou em luto, e pouco atuou por vários anos, e tomou residência na Flórida, porque ela preferia não viver em sua casa da Georgia sem o marido.

Hayward foi uma defensor da astrologia. Ela particularmente confiou nos conselhos de Carroll Righter, que se auto-proclamava "o Aquarius gregário" e "astrólogo para as Estrelas", que lhe informou que a hora ideal para assinar um contrato era exatamente às 2:47, fazendo com que ela colocasse um alarme para às 2:45, para que pudesse ter a certeza de obedecer às suas instruções.

MORTE
Hayward foi diagnosticada com câncer no cérebro em 1973. Em 14 de março de 1975 ela sofreu uma convulsão em sua Beverly Hills em sua casa e morreu aos 57 anos. Ela foi socorrida por seus dois filhos de seu casamento com Barker. O funeral de Hayward foi realizado em 16 de Março de na Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em Carrollton. Ela foi enterrada no cemitério da igreja ao lado de Chalkley.

Há especulações de que Hayward pode ter desenvolvido câncer devido a testes de bombas atômicas no filme que estrelou com John Wayne, The Conqueror. Vários membros de produção, bem como o próprio Wayne, Agnes Moorehead, e Pedro Armendáriz, sucumbiram ao câncer e doenças relacionadas ao câncer.

Por sua contribuição à indústria cinematográfica, Susan Hayward tem uma estrela no Hall da fama, em 6251 do Hollywood Boulevard.

Há especulações de que Hayward pode ter desenvolvido câncer devido a testes de bombas atômicas no filme que estrelou com John Wayne, The Conqueror. Vários membros de produção, bem como o próprio Wayne, Agnes Moorehead, e Pedro Armendáriz, sucumbiram ao câncer e doenças relacionadas ao câncer.

Acreditando muito em astrologia, ela ajustava o alarme de seu relógio às 2:45 para assinar contratos sempre às 2:47.

Segundo a atriz Diane Baker, que contracenou com Hayward em HORAS PERDIDAS, ela era uma pessoa difícil e estranha, e numa cena em que Susan a esbofeteia, ela dá um tapa de verdade e ela nunca pediu desculpas a Baker.

Ela representou uma alcoólica em três filmes, Desespero (1947), Meu Maior Amor (1949) e Eu Chorarei Amanhã (1955), e foi indicada ao Oscar em todos eles por sua performance.

Foi uma das muitas atrizes, em 1939, que fizeram testes para o papel de Scarlett O´Hara em ... E o Vento Levou (1939).

Nasceu no mesmo dia e no mesmo local (Brooklyn NY) que a cantora Lena Horne.

Quando tinha sete anos ela foi atropelada por um carro e sofreu uma fratura do quadril. Os médicos disseram que ela nunca poderia andar novamente. No entanto, depois de seis meses, ela já era capaz de se locomover com muletas e depois de um ano voltou para a escola. A lesão a deixou com uma perna que foi uma polegada e meia menor do que a outra, e ela tinha que usar uma palmilha em seu sapato. Faziam piadas por seu jeito estranho de andar, mas tornou-se uma marca para ela em Hollywood.

SUAS CITAÇÕES
Eu aprendi desde muito cedo que a vida é uma batalha. Minha família era pobre, meu bairro era pobre. A única maneira que eu poderia fugir do horror daquela vida, naquele momento, estava no cinema. Ali eu decidi que meu grande objetivo era ganhar dinheiro. E foi lá que me tornei uma mulher muito determinada.

Quando você está morta, está morta. Ninguém vai se lembrar de mim quando eu estiver morta. Oh, talvez alguns amigos vão se lembrar de mim com carinho. Ser lembrada não é a coisa mais importante, de qualquer forma. É o que você faz quando você está aqui, que é importante.

Ganhou o Oscar de Melhor Atriz por sua interpretação de uma mulher no corredor da morte, Barbara Graham, I Want to Live! (1958).

1972 - Diga Adeus a Maggie Cole (TV)
1972 - Marcados pela Vingança (TV)
1972 - Heat of Anger
1967 - O Vale das Bonecas
1967 - Charada em Veneza
1964 - Escândalo na Sociedade
1963 - Horas Perdidas
1962 - Grito do Coração
1961 - Esquina do Pecado
1961 - Ada
1961 - Eu, Ela e o Problema
1959 - Meu Coração Tem Dois Amores
1959 - Sol e Sangue
1958 - Quero Viver!
1957 - Lábios Selados
1956 - Sangue de Bárbaros
1955 - Eu Chorarei Amanhã
1955 - O Aventureiro de Hong Kong
1955 - Duelo de Paixões
1954 - Jardim do Pecado
1954 - Demetrius, O Gladiador
1953 - Feitiço Branco
1953 - O Destino Me Persegue
1952 - Paixão de Bravo
1952 - As Neves do Kilimanjaro
1952 - Meu Coração Canta
1951 - David e Betsabá
1951 - Ambição de Mulher
1951 - O Correio do Inferno
1951 - Um Homem e sua Alma
1949 - Meu Maior Amor
1949 - Sangue do Meu Sangue
1949 - Tulsa
1948 - Um Homem Irresistível
1948 - Paixão e Sangue
1947 - Recordações
1947 - Rua das Almas Perdidas
1947 - Desespero
1946 - Paixão Selvagem
1946 - Morte ao Amanhecer
1944 - Nunca é Tarde
1944 - O Grande Bruto
1944 - Skirmish on the Home Front (Curta)
1944 - Romance dos Sete Mares
1943 - Jack London
1943 - Nasce o Amor
1943 - Clube dos Inocentes
1942 - Coquetel de Estrelas
1942 - Casei-me com uma Feiticeira
1942 - Clarão no Horizonte
1942 - A Letter from Bataan (Curta)
1942 - Vendaval de Paixões
1941 - Herança de Ódio
1941 - Sis Hopkins
1941 - Os 4 Filhos de Adão
1939 - Boca não é Garganta
1939 - Our Leading Citizen
1939 - Beau Geste
1938 - Promessa Cumprida
1938 - Mulheres Culpadas
1938 - As Irmãs
1938 - Campus Cinderella (Curta)
1938 - O Gênio do Crime
1937 - Hollywood Hotel

Galeria

Pode fazer uma doação?

Ajude-nos a manter o site no ar! Clique aqui.